De onde vem essa agressividade?


Sem o autogoverno não conseguimos controlar nosso corpo emocional, pois é o sentimento que define os pensamentos a as ações determinando o que pensamos e como agimos. São os ajustes no corpo emocional que definem a qualidade da energia que chegará ao cérebro para serem processadas em pensamentos e linguagem para o entendimento de nossos relacionamentos e as construções coletivas que precisamos realizar a nível social.

Se estamos com os corpos físico, emocional e mental desalinhados, são as informações dos resíduos emocionais e mentais originários dos medos reprimidos que passam a formar os pensamentos e as ações. Se funcionamos com os corpos integrados o que chega ao cérebro é a informação da consciência que movida pelas virtudes inatas, da inteligência, bom senso, do amor, da criatividade, entre outras, traz as informações do fluxo da vida naquele momento vivido.

Quando não nos governamos, nos deixamos levar pelos bloqueios que nascem dos medos não compreendidos. Movidos pelos preconceitos, ressentimentos, traumas, nos distanciamos cada vez mais de nosso amor próprio, angustiados e inconscientes, focamos prioritariamente em preencher o vazio que nos torna insuportáveis buscando satisfazer nossas carências.

Conseguindo essa energia, em pouco tempo voltamos a perdê-la, pois ela não vem da nossa fonte criadora abundante em amor e novamente nos vemos ainda mais angustiados. Sem os devidos ajustes, frequentemente temos nossas expectativas frustradas e nos vemos como injustiçados.

São essas lembranças que prendem nossas forças naturais e nossas virtudes da consciência, nos posicionando por cima ou por baixo do alinhamento necessário, impedimos que o nosso relacionamento atinja o nível da consciência. Sem visão da realidade, percebendo no outro nosso próprio bloqueio, reagimos com agressividade interna ou externa, impedindo que o bloqueio se revele para ser observado e transformado.

Se nos habituamos a sermos agressivos quando somos sinceros e vemos agressividade na sinceridade dos outros é porque estamos navegando no mar das emoções inspiradas na Teia de Medos que nós mesmos criamos. Necessitamos de nossa atenção para nos alinhar, então use as chaves da respiração, relaxamento e visualize sua criança sendo acolhida e seu animal liberto e logo se verá ajustada ao fluxo da vida para se compreender e compreender os relacionamentos.

Posts em Destaque
Posts Recentes
Arquivo